terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

o coração não falou mais alto...


Ela acordou não querendo saber o que já sabia.
Era fato o que tinha acontecido.
- A gente ainda se ama! - mas a dúvida de continuar pairava no ar.
Deixar a dor ser mais forte?
Superar a dor no peito?
- Impossível! Depois de tantas coisas, não consigo nem chegar perto dele! - estava transtornada a ponto de não ouvir sua própria voz.
Era fato também que o mágoa que carregava agora no peito parecia estar ali por uma eternidade, e nem outra eternidade tiraria de seu coração tamanha dor.
Sentada na cama pode sentir o vazio que agora invadia todo o quarto e que completava o corpo atropelado por mentiras e deboches - mas não estava convicta se viveria assim, só, por muito tempo.
Optou por não viver e junto levou outro alguém que não conseguiu optar por coisa alguma.

*fotinho por Hugo Cabral

2 comentários:

Fourier disse...

Este texto é auto-biográfico?

Bru disse...

não..!
apenas um início com duas possibilidades de desfecho..
o outro desfecho está um pouquinho pra baixo..